Paraíba

Em live, Adriano Galdino destaca trabalho intenso da ALPB para combater impactos do coronavírus

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, fez um balanço, na noite desta segunda-feira (1), em live nas redes sociais, das atividades realizadas pela Casa durante a pandemia do coronavírus. Na oportunidade, Galdino voltou a ressaltar o Poder Legislativo, através do trabalho intenso dos deputados estaduais paraibanos e servidores, por meio de sessões extraordinárias e reuniões de comissões, CPIs e frentes parlamentares, realizadas de forma remota, pelo sistema de videoconferência. 

 

A live foi reproduzida por rádios e sites da Capital e do interior do estado, teve alcance de 22.997 pessoas, 245 compartilhamentos e com 1943 reações e comentários. “Temos um trabalho muito profícuo e pioneiro em todo o País, já que fomos uma das primeiras Casas legislativas a realizar sessões remotas, que contam quase sempre com a presença de todos os representantes da sociedade paraibana”, comentou. 

 

O presidente fez questão de destacar a aprovação de leis importantes, a exemplo do projeto de lei, de autoria do deputado Wallber Virgolino, que prorroga o pagamento das parcelas dos empréstimos consignados. A matéria foi aprovada, mas ainda não foi sancionada pelo governador João Azevêdo, que tem prazo legal até a próxima quinta-feira (04/06) para se posicionar. “Se não sancionar dentro do prazo, eu promulgarei a Lei”, disse. 

 

Galdino também destacou a lei, esta em caráter permanente, de autora deputado Raniery Paulino (MDB), que assegura prioridade de atendimento a pessoas com diabetes nos órgãos públicos, estabelecimentos comerciais e instituições financeiras do estado;  e a criação da Comissão Especial para acompanhar a aplicação de recursos para combate à Covid-19 nos municípios; e o serviço de telemedicina e atendimento psicológico para servidores da Casa durante a pandemia.  

 

O presidente lembrou que a Assembleia já aprovou, desde 23 de março, quando foram iniciadas as sessões remotas, 1225 matérias, 29 projetos de lei, sete projetos de decreto legislativo, quatro projetos de resolução, quatro medidas provisórias, 33 pedidos de informação, 150 projetos de indicação, 9 sessões especiais, 979 requerimentos – sendo 212 decretos de calamidade pública -, além da apreciação de dois vetos do Executivo: um aprovado e outro rejeitado.  

 

Departamento de Saúde 

 

O bate-papo virtual contou com a participação especial da médica Deise Queiroga, diretora do Departamento de Saúde e Assistência Social da Assembleia Legislativa, que falou sobre os tratamentos que estão sendo implementados para se combater à Covid-19. A médica se mostrou entusiasta do uso da Ivermectina, combinada com a Azitromicina e o Zinco, na fase inicial da doença, mesmo frisando que os estudos ainda são in vitro. 

 

Ela lembra que a Covid-19 e uma doença viral, com transmissibilidade muito grande e, por isto exige muito cuidado na prescrição de medicamentos. “A medicação ideal para o tratamento de um vírus é a antiviral. Mas, como ainda não se tem um antiviral específico para o tratamento da Covid-19, então valem, hoje, as medidas de higiene e proteção pessoal, além do isolamento social”, disse. 

 

“Como a Covid-19 é uma síndrome gripal, com sintomas semelhantes aos de uma gripe comum, hoje já temos um protocolo aprovado pela Ministério da Saúde, que permite que na fase inicial (onde existe a replicação do vírus) que essas medicações sejam utilizadas, embora ainda sejam objeto de estudos in vitro. Mas nós estamos em uma guerra. Não estamos aqui para esperar que os estudos saiam sem que se tome uma iniciativa alternativa de tratar os pacientes”, acrescentou.  

 

O presidente Adriano Galdino endossou o posicionamento da médica Deise Queiroga quanto ao uso associado do Ivermectina com Azitromicina no combate à covid. O presidente destacou estudos de pesquisadores da Austrália e do Peru, sobre a utilização da droga, combinada com a Azitromicina e o Zinco, na fase inicial da doença. Ele também citou vários exemplos de amigos e pessoas próximas que fizeram uso da medicação e tiveram êxito no tratamento.   

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar