Com a presença do governador Ricardo Coutinho, o Diretório Nacional do PSB recomendou na noite dessa segunda-feira (16), de forma unânime, que a bancada socialista substitua de imediato a deputada Tereza Cristina (MS), atual líder do partido na Câmara Federal.
O colegiado também convocou nova reunião para o próximo dia 27, quando irá julgar os processos disciplinares movidos pelos segmentos sociais do partido contra os deputados federais Danilo Forte (CE), Fábio Garcia (MT), Fernando Coelho Filho (PE) e Tereza Cristina, que votaram favoravelmente à reforma trabalhista.
A deliberação sobre os processos foi adiada por uma decisão liminar concedida pelo juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª Vara Cível de Brasília, que exigiu o prazo de oito dias para a convocação da reunião. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, considerou como um “excesso de formalismo”, uma vez que a convocação foi feita com antecedência e teve ampla divulgação nacional.
A troca na liderança do partido na Câmara tem o objetivo de garantir o cumprimento do posicionamento do PSB pela admissibilidade da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, que será discutida nesta semana na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
“A maioria dos 36 deputados do PSB é a favor do prosseguimento da denúncia. Queremos um líder que cumpra as decisões do partido, que represente o partido, que represente a posição majoritária da bancada, que é favorável à apuração dos crimes de que é acusado o presidente Michel Temer”, afirmou o presidente Carlos Siqueira.
Expulsão – Durante a reunião, Carlos Siqueira informou que a recomendação do Conselho de Ética e Fidelidade Partidária é pela expulsão dos quatro deputados alvos de processos disciplinares.
O presidente defendeu que o PSB não pode ter sua história manchada por parlamentares que, filiados à legenda, apoiam medidas liberais que prejudicam os trabalhadores.
“Sempre estivemos abertos ao diálogo, mas não podemos permitir que a nossa bandeira seja enlameada com posições que não correspondem a nossa história”, afirmou.
“Não arredamos um centímetro dessas posições, em defesa sobretudo daqueles que precisam recuperar seus direitos perdidos e ampliar outros direitos. Não temos motivos para recuar e perder o que não temos”, disse, diante de mais de uma centena de integrantes do Diretório Nacional.
Siqueira reafirmou a manutenção das bandeiras históricas do partido. “Temos dever histórico de respeitar o passado de luta contra a desigualdade social e fazê-lo contemporâneo no momento presente. Temos que honrar nossos líderes extraordinários que foram e sempre serão nossos inspiradores na busca por mudanças estruturais e por um país melhor”.
Estiveram presentes à reunião o vice-presidente de Relações Governamentais e Institucionais do PSB, Beto Albuquerque, o secretário-geral do partido, Renato Casagrande, o ex-ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, os três governadores do PSB, Paulo Câmara, Ricardo Coutinho e Rodrigo Rollemberg, a líder do PSB no Senado, Lídice da Mata, além de deputados, senadores e representantes dos segmentos sociais.

Leave a Reply

Your email address will not be published.